Pelo jeito você sofre de Tricotilomania e de Picking.

Tratar Tricotilomania em São Paulo

Pergunta 1:

Tenho 19 anos e desconhecia totalmente a existência dessa doença, mas olha só o que me aconteceu. Quando eu tinha 12 anos tive uma professora que quando não estava fazendo nada, ela sentava em seu lugar, fixava os olhos em um ponto da parede, e começava a passar as mãos pelos cabelos, ela separava uma pequena parte do cabelo e enrolava, ou melhor ela só fazia a movimentação de enrolar, pois seus cabelos eram extremamente lisos e não ficavam enrolados de jeito nenhum.

Eu comecei a imitar essa professora por motivo de gozação, quando ela não estava na sala, eu a imitava para que os outros alunos dessem risadas.

Mas acabei adotando essa mania de verdade, e como meus cabelos eram ondulados, quando estava parada, não tirava a mão da cabeça até que toda parte estivesse bem cacheadinha.

Após um tempo já com 17 anos, e ainda com a mania de enrolar o cabelo, eu fiz uma escova progressiva que alisou meu cabelo, e como não tinha mais graça enrolar o cabelo, pois não ficava os cachinhos, parei por um tempo com essa mania, e então com os cabelos lisos, descobri prazer em ficar puxando os fios (sem arrancar da cabeça), e principalmente em procurar pontas duplas, triplas, etc.

E quando encontrava essas pontas, rasgava o fio do cabelo no meio até quebrar em algum lugar, uma amiga um dia viu, e me disse que se eu ficasse rasgando ia deixar os fios mais finos e fracos que já eram. Então, parei de rasgar, e comecei a quebrar o fio na parte em que ele se divide, ou está semi-quebrado.

Quando a progressiva saiu do cabelo, meu cabelo voltou sem forma de cachos, e mesmo assim as vezes eu enrolava o cabelo sem sucesso, pois não tinha o resultado desejado. E desde então, a minha mania é ficar o tempo todo com a mão no cabelo, enrolando, mexendo ou arrancando ponta dupla.

A minha vida inteira está assim, independentemente de onde eu esteja, não paro quieta um minuto, se paro para pensar em algo... Alguma coisa eu tenho que fazer com as mãos, de vez em quando me pego fazendo uma ou outra mania, como por exemplo: faço um nó no cabelo deixando-o como um coque, mas nunca deixo ele com esse coque, pois vou puxando uns fios do preso até que ele se desmanche totalmente para mim refazer o coque.

Se estiver com o cabelo preso, vou desprendendo aos poucos, prendo de novo, desprendo, prendo de outro jeito, etc.

Roo as unhas constantemente quando estou assistindo novela ou filme, ou quando quebra ou lasca um pedacinho. E quando minhas unhas dos pés estão moles e úmidas por causa do tênis, praticamente corto todas elas com minhas próprias mãos, arranco elas até doer ou ficar feias, a do dedinho eu arranco inteira, já que é pequena.

Estralo os dedos das mãos constantemente, e também os dedos dos pés, se no mesmo momento estiverem ao meu alcance.

Quando tenho algum cravo, espinha, alergia, ou qualquer bolinha na pele, cutuco até sangrar ou cansar. Também pego uns pedacinhos bem ressecados do cabelo e estralo os fios, pois faz alguns barulhos como se estivesse matando piolho.

Enfim, a maior parte do meu tempo durante o dia, eu passo com a mão no cabelo, sempre fazendo alguma coisa. Esse ano, comecei a fazer um curso de graduação na parte da manhã, e minha mania se agravou, já que passo um bom tempo sentada, só escutando. Fico o tempo todo concentrada tirando todas as pontas duplas do cabelo.

E quando estou em casa, tiro ponta dupla do meu cabelo sempre que estou sem fazer nada. Quando estou tentando estudar alguma matéria ou fazendo alguma tarefa ou trabalho da faculdade ou até mesmo quando estou navegando na internet, paro várias vezes o que estou fazendo para mexer no cabelo, as vezes enrolo ou estralo algumas mechas, as vezes faço um coque, ou prendo e desprendo o cabelo.

Mas o que mais me atrapalha é o fato de não conseguir ficar sem tirar ponta dupla nas aulas da faculdade, pois não estou prestando atenção nas aulas e nem aprendendo nada.

Eu moro numa república de meninas, e uma amiga que de tanto me ver tirando as pontas duplas do cabelo, também começou a fazer a mesma coisa. Mas ela faz raramente, eu que sou mais compulsiva.

Sempre quando percebemos que estamos fazendo isso, uma chama a atenção da outra para parar. Foi ontem que ela comentou comigo, que essa mania de arrancar os cabelos da cabeça é uma doença, e eu nunca tinha escutado nada sobre isso, achei muito estranho o ato de arrancar o fio pela raiz do couro, e chegar ao ponto de uma pessoa ficar até careca.

Mas olha como eu achei estranho... hoje mexendo no cabelo, encontrei alguns fios mais grossos e crespos bem na parte do redemoinho, e comecei a arrancá-los da raiz, pois estava me incomodando passar a mão naqueles fios enrugados.

Arranquei vários, mas deu para sentir que eu não tirei alguns pela raiz, e sim quebraram pertinho da raiz. Quando minha amiga viu o que eu estava fazendo, ficou muito brava comigo, e me disse que essa história de doença não era mentira, e me mandou pesquisar na internet.

Então encontrei esse site, e li vários comentários. Não quero arrancar meus fios pela raiz, e perder todo meu cabelo, já sofro tanto com minhas unhas dos pés que são horríveis, e agora com meus estudos que estão sendo prejudicados.

Gostaria de saber se mesmo não arrancando os fios pela raiz, e apenas tirando ponta dupla o tempo todo, é sinal que eu tenho essa doença?

O que devo fazer? Como lidar ou tratar esse tipo de coisa?

Estou tomando há duas semanas os remédios para emagrecer: Sibutramina e Pholia magra, receitado respectivamente, pelo Endocrinologista e Nutricionista. Isso implica em alguma coisa? Existe tratamento gratuito para essa doença? Qual especialista devo procurar?

Resposta:

Pelo jeito você sofre de estamos falando de Tricotilomania e de Picking. Procure um Psiquiatra. O tratamento não é tão caro assim porque as consultas são muito espaçadas. E provavelmente teu convênio reembolsa uma parte. A maioria dos Seguros Saúde também reembolsa Psicoterapia se a paciente for encaminhada por um médico.

 

Pergunta 2:

É meio constrangedor dizer isto, mas arranco os meus cílios até ficar sem nenhum nos meus olhos, desde meus 11 anos, mais ou menos. Gostaria de ajuda médica, mas tenho vergonha dos outros saberem!

Resposta:

Mas ninguém vai saber a não ser você e teu médico!