Casos de Tricotilomania que começam com a menina arrancando cabelo de uma irmã.

Tratar Tricotilomania em São Paulo

Pergunta 1:

É possível alguém ter a doença de arrancar cabelo, mas não arrancar os seus próprios e sim de outra pessoa?

Resposta:

Por incrível que pareça, sim, é possível.

Existem casos de Tricotilomania que começam com a menina arrancando o cabelo de uma boneca, ou uma irmã arrancando da outra.

Mas isso também pode ser um problema de controle de impulso, assim como Síndrome de Tourette.

Consulte um psiquiatra.

 

Pergunta 2:

Meu pai é Tricotilomaníaco, mas ele arranca os pelos de quase todo o corpo, principalmente das pernas.

Antigamente ele tinha vergonha quando alguém via ele arrancando os pelos, mas agora ele nem liga se tem alguém observando.

Gostaria de saber se eu de alguma forma tenho como ajudar meu pai a parar de arrancar pelos?

Resposta:

Mostre para ele que isso é uma doença que pode ser tratada.

 

Pergunta 3:

Eu vou tentar ser mais curta possível. Mais ou menos aos doze anos não consigo identificar o fator: comecei a arrancar os cabelos, me lembro exatamente do primeiro fio de cabelo que arranquei.

Gostaria de descobrir o porquê, pois na época meu pai perdeu tudo o que tinha financeiramente, ficamos a zero somente com a aposentadoria dele e fomos morar de aluguel.

Lembro também que fui grosseira ao telefone com uma amiga de minha irmã só porque ela telefonou no horário do almoço isso me marcou, e também por ter pisado em cima de um filhote de gato que consequentemente morreu.

Estas situações ficaram marcadas e já se passaram 22 anos e eu tento descobrir o verdadeiro motivo.

Tentei terapia, etc. etc., e nada adiantou.

Morro de vergonha, pois até minhas filhas uma de 10 e outra de 5 anos me pedem para não arrancar mais os cabelos.

Tive muitos outros problemas nestes 22 anos como deixar para trás o primeiro amor sem ter tido contato, perdi minha mãe aos 15 anos e meu pai aos 22 anos na minha primeira gravidez.

Resumo de tudo: até hoje não consegui encontrei a verdadeira felicidade.

Sou casada com um alcoólatra, temos uma situação financeira estável, estou sempre me anulando em relação a tudo.

Enfim, este é mais ou menos um resumo um pouco extenso de minha vida. Preciso tomar uma providência, pois isso me incomoda e incomoda os outros.

Além do alcoolismo do meu marido vocês imaginem como me culpo por ser tão rancorosa e chata.

Sorte que tenho a grande capacidade de me comunicar e diálogo muito com minhas filhas, só que às vezes pego muito pesado com elas que: coitadinhas não tem culpa são maravilhosas. Espero uma grande luz de vocês. Meu muito obrigada.

Resposta:

Certamente a situação estressante de sua vida piora a Tricotilomania, mas como você já percebeu, apenas Psicoterapia, por mais profunda e esclarecedora que seja não acaba com o problema.

Descobrir as causas da Tricotilomania não acaba com ela.

Tricotilomania se trata às vezes com terapia, mas sempre com medicação.