Cá estou eu, com pensamentos fixos, sem nexo, sem utilidade nenhuma, irreais e ainda por cima absurdos.

Tratar TOC com Psiquiatra do Einstein

Pergunta:

Venho tendo medo constante de poder fazer mal a alguém, porém, antes, eu nunca tive esses sentimentos. Gostaria de saber a que tipo de patologia esse tipo de sentimento está ligado. Grato

Resposta:

Pensamentos que a pessoa sabe que não fazem sentido mas não consegue tirar da cabeça se chamam Pensamentos Obsessivos e podem fazer parte do TOC ou Transtorno Obsessivo Compulsivo. É uma das possibilidades, mas não posso fazer diagnóstico apenas com esses dados.

 

Pergunta:

Tenho pensamentos obsessivos terríveis em todos os sentidos. Lutei muito pra achar o remédio que melhorou e muito meu estado. Sofro de TOC. Faço uso de Depakene (Ácido Valpróico) e Paroxetina 40 mg por dia. Tenho muita dificuldade de tomar remédios e às vezes paro.

Dr. Rubens Pitliuk, gostaria de agradecer pelo site que esclarece e ajuda muito quem sofre destas patologias.

Gostaria de conselhos, Dr.!

Poderia contar com o Sr.? Desde já agradeço

Resposta:

Como não conheço teu histórico, não sei por que você toma o Depakene. De qualquer forma, a Paroxetina (Aropax, Paxil CR, Cebrilin, etc.) é muito eficaz no tratamento do TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo).

Mas quando o paciente também apresenta Pensamentos Obsessivos, em geral ele também precisa de Neurolépticos.

 

Pergunta:

Acho que tenho TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo). Quando falo acho é porque, diante do que li, tenho manias que sempre prejudicaram minha vida.

Pensamentos absurdos (que tenho medo de falar até para os mais íntimos e ser chamada de louca) pairam na minha mente e ficam ali toda hora.

O tempo todo fico falando internamente comigo e tentando me sair deles, porque tenho plena consciência que são absurdos!

E não consigo! Fico muito, muito nervosa. Fico angustiada e depressiva, porque quando isso me acontece (que eu chamo de crises) eu fico me comparando a antes da crise aparecer (porque até então eu estava muito bem, feliz e alegre com a vida) e isso me mata!

Sou casada e meu marido é simplesmente maravilhoso e não tenho filhos.

Tive esse problema quando eu tinha uns 15 a 16 anos e, novamente, quando já estava na faculdade.

Eu achava um absurdo, porque eu já estava mais consciente da vida, mas tive novamente.

E agora cá estou eu, com pensamentos fixos, sem nexo, sem utilidade nenhuma, irreais e ainda por cima absurdos, chamo até de ignorantes, mas que não consigo tirá-los da mente!

Fica assim: indo e voltando parece que entro e saio da crise a todo o momento no dia e o pior, eu estou ficando doente, pois meu estômago está agindo e estou tendo ânsia de vômitos todos os dias pela manhã a ponto de vomitar a bile!

Tenho medo de enlouquecer. Quando eu não tenho essas bobagens me sinto muito bem e consigo até rir das besteiras que antes pensava (por exemplo, quando eu saí da crise, na época da faculdade).

Só que agora, tá ruim demais. Perdi minha mãe e acho que isso interfere, pois antes ela era a única que me ouvia e consegui me sair disso.

E agora não falo nada com ninguém e acho que estou tendo crises de pânico. Está se desenvolvendo em mim um sentimento diferente, ruim mesmo!

Quando essa crise aparece, vêm sentimentos confusos e eu tenho medo deles.

Acho bobagens, mas não consigo me sair deles. Até o meu sono tá péssimo.

Por causa disso, estou com mania de ficar me observando o tempo todo. E isso influi no meu trabalho, já que dou aulas.

Acabo ficando me observando quando estou explicando um assunto e fica uma coisa de doido. Doutor, me dê uma luz.

Será que eu tenho é TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) mesmo ou estou ficando louca?

Estou perguntando por que eu sou hipocondríaca assumida e tudo que vejo assimilo e acho que estou com esta ou aquela doença.

Resposta:

Esses pensamentos recorrentes, que podem ser Pensamentos Obsessivos do TOC sim, desgastam muito e alimentam mais a Ansiedade e esse Stress trazer outras ocorrências como Pânico, Fobias, Depressão, etc.

Sugiro que você consulte um psiquiatra para ser corretamente diagnosticada e orientada. Psicólogo Juarez Lopes Neto.