Fui ao hospital e a médica disse que era Síndrome do Pânico

Tratar Pânico em São Paulo com Psiquiatra do Einstein

Pergunta:

Fui ao hospital e a médica só ouviu os meus sintomas e já disse que era Síndrome do Pânico. No começo, não acreditei, mas agora que pesquisei sobre isso, vi que tenho alguns dos sintomas. Queria saber se quando eu sentir medo de fazer algo, ou de ir a algum lugar por conta dessa Síndrome, se eu enfrentando o medo eu venha a me sentir melhor?

Resposta:

Sim, sempre é bom enfrentar a situação.

 

Pergunta:

Olá sofro de Síndrome do Pânico há um tempo porque era uma coisa que vinha esporadicamente, mas agora não tenho mais vida. Descobri também que estou com deficiência de Vitamina B 12. Deficiência de Vitamina B13 pode causar a Síndrome do Pânico?

Não sei se a minha Síndrome do Pânico é por esse motivo, mas só penso o pior penso que vou morrer que estou doente e tenho sentido muitas dores.

Estou perdendo a vontade de tudo e desacreditando de uma possível cura. Preciso de ajuda.

Resposta:

Deficiência de Vitamina B 12 não causa Pânico. Trate com um Psiquiatra.

 

Pergunta:

Oi, tenho Depressão e Síndrome do Pânico há 8 anos. Já tomei diversos Antidepressivos não tendo melhoras e sofrendo com muitos efeitos colaterais.

Fiz um Eletroencefalograma que deu uma disfunção no Córtex Pré-frontal Direito, desde então tenho tomado Clonazepam (Rivotril) e Lamotrigina 50 mg, mas ainda tenho crises.

Quero saber se ainda há chance de cura ou sempre vou viver assim tomando diferentes medicamentos sofrendo uma série de efeitos colaterais sem resultados eficazes.

Resposta:

As pessoas escrevem que tomaram “diversos antidepressivos”, mas não falam quais nem em que doses. No consultório, quando peço para fazerem uma lista, em geral vejo que tomaram Antidepressivos que não são bons para Transtorno do Pânico ou que são bons, mas tomaram em doses baixas demais.

Alterações de Eletroencefalograma dificilmente têm algo a ver com o Pânico, aliás, que tipo de Disfunção de Córtex Pré-frontal você tem?

 

Pergunta:

Quem tem Síndrome do Pânico pode ter Hipocondria junto? Os sintomas são parecidos?

Resposta:

Hipocondria significa preocupação exagerada com a saúde, o corpo, os órgãos. Quem tem Pânico costuma ter essas preocupações, portanto na maioria dos casos a Hipocondria é um dos sintomas do Transtorno do Pânico.

Mas também existe uma Hipocondria sem Ataques de Pânico, que faz parte dos Transtornos de Personalidade ou dos Transtornos Obsessivos.

 

Pergunta:

Tenho 21 anos, gostaria de tirar uma dúvida. Tenho muito medo de passar a noite sozinha numa casa, quando estou sozinha acordo no meio da noite me tremendo toda, suando frio, e tenho a sensação de que há alguém do lado de fora de casa, a partir daí não consigo mais dormir, fico apavorada e só volto a dormir quando o dia amanhece.

Minhas crises começaram logo após a morte de meu pai, isso aconteceu quando tinha 8 anos, e sempre acontecia mesmo com minha mãe em casa, às vezes acordava no meio da noite gritando de medo como se alguém estivesse ali pronto para entrar em casa.

Ainda sinto isso apenas parei de gritar, gostaria de saber se eu tenho a Síndrome do Pânico? Devo procurar ajuda médica? Nunca fui ao Psicólogo ou outro médico.

Resposta:

Seria mais correto dizer que você sofre de Ataques de Pânico em situação específica. Mas o tratamento é o mesmo, com resultados muito rápidos. Procure um Psiquiatra.

 

Pergunta:

Tenho 26 anos. Tive um Ataque de Pânico, não sentia as extremidades do meu corpo, meus batimentos cardíacos foram até 134, meu corpo tremia compulsivamente. Logo que sofri o Ataque procurei um Psiquiatra.

Ele me receitou um remédio manipulado Citalopram 30 mg e Alprazolam 0,25 mg. Incialmente este é um bom tratamento? Quero saber também se o ataque que sofri pode ter sido desencadeado por algum trauma.

No momento em que ocorreu eu estava fumando cigarro de menta. Isto pode ter sido um fator desencadeante?

Resposta:

Sim, Alprazolam (Apraz, Frontal) e Citalopram (Procimax, Cipramil) são boas opções. Provavelmente o cigarro de menta não é culpado.

 

Pergunta:

Boa noite, eu estou com Síndrome do Pânico há 3 meses causada por um medicamento chamado Tramal. Estou me tratando com uma Psiquiatra muito boa mais já troquei de remédio 3 vezes: Lexapro, Sertralina e Verotina.

Tenho muitos enjôos, o que devo fazer?

Obrigada e boa noite

Resposta:

É improvável que o Tramal tenha provocado o Pânico. Se você tomou Tramal é porque teve uma dor extremamente forte. Não é esse o problema que causou o Pânico? Leia a Página de Stress pós Traumático.

 

Pergunta:

Caso seja possível, gostaria de uma resposta para: porque alguém que já foi no Empire State Building, que já viajou de avião, tem medo de uma simples sacada de um quarto andar? Porque alguém que nunca pensou em pular de um prédio fica com tontura, com uma sensação de que alguém o empurra?

Isso é sintoma de algo específico? Porque alguém que dirige um carro com 700 kg, que consegue digitar teclas minúsculas, enfim, que faz tudo...

Porque essa sensação ruim diante de uma janela, de uma simples sacada de apartamento?

Resposta:

Isso pode ser sinal de leves Ataques de Pânico ou de Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). Ambos os casos tem tratamento, provavelmente bem simples.

 

Pergunta:

Passei momentos tenebrosos por causa de Síndrome de Pânico, sentia tudo que li nos relatos desse site e muito mais. Durante seis anos me senti incapaz para tudo, não saía de casa por que só de pensar em sair meu coração já disparava, tinha dores de barriga, frio no estômago, pressão muito alta.

Minha cunhada me deu um calmante e me levou ao médico. Minha maior preocupação era que eu achava que estava ficando louca por que não sabia como dizer o que eu sentia, era muita coisa ao mesmo tempo.

Os medicamentos receitados foram Fluoxetina 20 mg e Frontal 0, 25 mg. Depois de vinte dias já comecei a sair de casa muito insegura, mas aos pouco fui conseguindo, muitas vezes com o Frontal na mão.

Qualquer coisa eu tomava um Frontal, mas minha vida foi voltando ao normal e há 5 anos sou responsável por uma loja.

Porém, se paro de tomar os remédios por minha conta, depois de alguns dias começo a sentir tremedeiras e mais um monte de outras coisas e tenho que voltar a tomar tudo outra vez, inclusive o remédio de pressão.

Queria saber se isso não tem cura tenho uma vida completamente normal, mas não posso parar com os remédios isso é assim mesmo?

Resposta

Não, não é assim. Minha impressão: você não ficou 100% livre dos sintomas e enquanto não ficar 100% livre, vai ser difícil parar os remédios.

Existem pessoas que nunca podem parar os medicamentos, mas é muito raro.

Talvez você precise de mais do que só remédios, leia as orientações da página de Ansiedade e de Pânico.

 

Pergunta:

Sofro de Síndrome do Pânico. Tudo começou quando estava dirigindo numa estrada e de repente comecei sentir um calor muito forte, e ao mesmo tempo cãibras no braço esquerdo. Pensei que iria ter um derrame, pois senti uma pressão forte subindo a cabeça com sensação de quase desmaio.

A partir deste momento, meu sistema nervoso transformou minha vida. Hoje tomo Alprazolam 0,5 mg, o que me alivia nos momentos de stress, principalmente à noite, para poder dormir melhor.

Atualmente tenho notado que aumentou a quantidade de vezes que vou ao banheiro urinar (3 em 3 horas), bem como passei a ter um desconforto na linha do ventre (gases). O que devo fazer, pois já fiz vários exames e eles estão normais? Desde já, grato pela atenção.

Resposta:

Você deve se tratar de modo mais completo e não apenas tomar o Alprazolam (Frontal, Apraz) só depois que o ataque já veio. Desse jeito eles não acabam nunca.

 

Pergunta:

Em primeiro lugar, parabéns pelo site, ele é de grande valor. Gostaria de saber se tomando ansiolítico (Ansitec 2 caixinhas) eu consigo me livrar do Pânico. Já fiz tratamento com Cebrilin 2 anos e meio fiquei ótima, mais depois que parei (gradualmente, é claro), nunca mais voltei a ser a mesma.

Tenho crises direto, vivo numa ansiedade constante e meu médico receitou o Ansitec.

Gostaria de saber se vai adiantar, estou tomando há 4 semanas e até agora nada.

Me ajude, por favor...

Resposta:

Vou torcer para você ficar boa, mas Ansitec (Buspirona, Buspar) não costuma ser muito eficaz em Síndrome do Pânico.

 

Pergunta:

Meu nome é Priscila e tenho 19 anos. Tive a primeira crise de Pânico com 17 anos quando estava em um ônibus, comecei a ficar nervosa, tive a certeza de que iria acontecer algo e eu iria morrer.

Comecei a tomar remédios indicado por um Psiquiatra, mas logo parei, pois não tinha me dado mais crises.

Meu pai tem Síndrome do Pânico e também teve o primeiro ataque aos 17 anos.

Tem vezes que tenho medo de sair de casa, não sei por que, parece que vai acontecer algo de ruim ou eu vou morrer de alguma forma, outros dias eu me sinto estranha, sinto tudo estranho. Sempre quando sinto dor em alguma parte do corpo acho que tenho uma doença e quero logo procurar um médico.

Gostaria de saber se isso e um sintoma dessa Síndrome, de qualquer coisinha achar que tem uma doença, ou se as dores podem ser resultado do sistema nervoso, mesmo não tendo nada.

Resposta:

Não se preocupe. Durante a fase de Ataques de Pânico, qualquer resfriado a pessoa já acha que é pneumonia. Tudo isso vai passa como tratamento. Você é nova e tem tudo para se livrar do Pânico definitivamente. Não deixe teu cérebro criar Efeito Kindling.

 

Pergunta:

Minha filha tem 13 anos há uns dois anos começou com medo de elevadores e metrôs, agora está ficando pior, não anda na rua sozinha, não consegue ficar onde haja multidões, não fica em casa sozinha, não quer fazer cursos porque tem medo de ficar com gente que não conhece, não freqüenta festas.

Quando é forçada a isso fica com uma ansiedade enorme e quer comer, dizendo que tem fome, mas sei que é por causa da ansiedade. Isso tem cura?

Brevemente vai passar com um Psiquiatra no HC.

Resposta:

Sim, tem cura e o atendimento no Hospital das Clínicas é ótimo

 

Pergunta:

Gostaria de saber se o horário de tomar os medicamentos para tratamento de Síndrome de Pânico, pode ter influência no resultado. A tomada deve ser feito todos os dias a mesma hora ou isso não faz diferença no resultado?

Resposta:

O ideal é que o médico planeje um tratamento com uma dose única de remédios por dia, e que não exija horário exato, caso contrário o tratamento acaba sendo outro transtorno na vida do paciente. A maioria dos Antidepressivos tem uma vida média bem longa, de modo que não faz mal tomar em horários diferentes a cada dia.