Me separei do meu marido pra voltar pra um ex-namorado.

Psicoterapia em São Paulo

Pergunta 1:

Bom dia, me separei recentemente do meu marido pra voltar pra um ex-namorado. Agora estou de mudança pra casa desse ex-namorado que é em outro estado. Tenho um filho de três anos, qual a melhor forma de fazer essa transição pra que ele não sofra muito?

Resposta:

Uma criança de três anos vê a vida de uma maneira muito simplificada, já que ainda não tem quase capacidade de abstração.

Assim sendo, um diálogo nessa fase deve ser direto e mostrar muita segurança, já que a dúvida é sua e não do seu filho.

Mais do que me preocupar em como falar, eu pensaria que você deveria mostrar segurança e firmeza na sua decisão, para o pouco que você explicar mostrar ser o suficiente para esse momento.

É claro que pouco a pouco, conforme vocês forem passando por outras experiências, a necessidade de diálogo será contínua, mas espere o seu filho ter a demanda.

Não se adiante.

A criança sempre pensa de forma mais simplificada e vai questionando o adulto na medida em que vai amadurecendo a ideia.

Deixe seu filho ser seu próprio termômetro, ou seja, ele mesmo vai te apontar quando intervir e como fazê-lo.

Boa sorte.

Psicóloga Silvia Sztamfater.

 

Pergunta 2:

Olá, meu nome é Silvia tenho 20 anos, tive um relacionamento que durou mais de três anos e acabou enfim vivo muito triste, choro bastante ainda sofro de Tricotilomania (mania de arrancar os cabelos).

Ultimamente não sinto prazer nas coisas, sempre vivo triste é algo que não aguento mais suportar já pensei em acabar de vez com esse sofrimento. Enfim já não sei mais que atitude tomar, vivo ligando para esse meu ex, mas sei que estou mendigando o que ele não sente mais por mim isso é o que me deixa pior.

O que eu posso fazer para tentar melhorar? Ajude-me pelo amor de Deus.

Resposta:

Minha sugestão é que procure Psicoterapia para questionar este relacionamento passado e que lhe deixa muito ansiosa e insegura, e isto, provavelmente piora sua Tricotilomania. Psicólogo Juarez Lopes Neto.

 

Pergunta 3:

Envolvi-me com um colega de trabalho. No primeiro encontro, rolou sexo, por muita insistência dele, acabei cedendo, pois estava carente. Após este episódio, ele trata-me com indiferença, ironia e deboche, como se eu fosse uma desclassificada e desprezível. Senti-me um lixo, usada e humilhada.

Penso que caí em uma cilada machista. Temo que ele fique contando vantagem e menospreze como mulher. Já pensei em procurar um Psiquiatra ou fazer uma Terapia para o meu reequilíbrio emocional. Ajudem-me. O que devo fazer?

Resposta:

Se for uma situação que você está sentindo-se estressada e pressionada, procure sim uma Psicoterapia. Psicólogo Juarez Lopes Neto.

 

Pergunta 4:

Gostaria de saber se realmente existe cura pela fala, ou seja, se você vai ao Psiquiatra ou ao Psicólogo apenas desabafando e recebendo orientações a gente consegue se curar. Obrigada pela atenção.

Resposta:

Sim, a Psicoterapia ajuda a pessoa ter consciência de suas dificuldades, problemas e carências tornando assim muito mais fácil objetivar os confrontos e fortificar seus aspectos emocionais mais frágeis. Psicólogo Juarez Lopes Neto.