É triste ver que ainda existem psicólogas com essas ideias atrasadas.

Psicoterapia em São Paulo

Pergunta:

Olá Doutor, parabéns pelo site tão explicativo. Doutor me trato há 1 ano com Psicoterapia e minha psicóloga é contra eu tomar remédio.

O que a minha psicóloga alega é que minha Síndrome do Pânico é emocional e não um problema nos Neurotransmissores.

Mas a coisa chegou a tal ponto que já não suporto mais essas crises, então resolvi procurar um Psiquiatra e já faz dois dias que estou tomando remédios, um deles é o Paroxetina e estou me sentindo melhor.

Gostaria de saber e existe essa diferença e se existir quer dizer que enquanto não me curar emocionalmente não vou sarar? Mesmo tomando remédios?

Resposta:

O fato dos teus Ataques de Pânico terem origem psicológica ou emocional ou em fatores externos não quer dizer que você não deva tomar remédios.

Quase todos os casos de Transtorno do Pânico têm origem emocional!

Se fosse assim ninguém tratava infarto, gastrite, úlcera, pressão alta e muitas outras doenças que também têm causas emocionais.

É triste ver que ainda existem psicólogas com essas ideias atrasadas.

Ainda mais que quando você não tiver mais os sintomas do Pânico aí sim é que vai ter cabeça fria para analisar o que pode e deve ser mudado na sua vida para que o Pânico não volte mais.

 

Pergunta:

Tenho histórico de pai alcoólatra, mãe depressiva. Tenho Pânico de falar em público e perco oportunidades de ganhar mais por isso.

Tenho sentimento de culpa, rôo unha desde que nasci, fico tirando bolinhas da pele, tenho picos de compulsão alimentar e engordo, depois emagreço, tenho pensamentos ruins, de morte.

Tenho medo de sair de carro com outra pessoa dirigindo, fico imaginando acidentes acontecendo.

Fico imaginando pessoas da família morrendo, às vezes me acho a última pessoa do mundo, incapaz, burra, fico mortificada quando dou um fora.

Preocupo-me com o que vão pensar de mim se faço algo errado ou me engano não consigo parar de me culpar e de me envergonhar.

Tenho TPM horrível, fico deprimida, querendo morrer, me achando uma idiota, tenho pavor de atender telefone ou de receber visita inesperada, fico angustiada em saber que vou a uma festa ou que receberei visitas em casa.

Só saio de casa tranqüila se estou segura quanto à minha aparência.

Tenho vontade de roubar pequenos objetos, tenho mania de mentir (mentirinhas pequenas que não precisam ser ditas por que não mudam nada e depois me arrependo horrivelmente).

Às vezes minto para fugir de algo que não fiz ou que me esqueci, sendo que poderia muito bem assumir o erro e depois me arrependo e juro que nunca mais vou mentir e volto a fazê-lo.

Quando falo em público fico burra apesar de ter boa cultura. Me dá uns brancos, fico sem vocabulário e quando sei que vou falar em público já sofro um mês antes; quero fugir da situação e no dia seguinte fico me sentindo a idiota, desamparada, que todos me acharam uma imbecil.

Sinto uma tristeza imensa, choro muito, tenho momentos de euforia, me acho bonita, inteligente, os elogios são recebidos com exagero e as críticas também.

Apanhei muito na infância. Tenho medo de autoridades e às vezes me sinto em Pânico ao ter que conversar com uma pessoa, não sei onde por a mão, o que dizer, para onde olhar.

Gostava muito de ler, devorava, agora não consigo mais me concentrar.

Não consegui terminar nenhuma faculdade, entrei em várias, prestei vestibulares difíceis, sempre tive boas notas e elogios, mas não tenho mais vontade nem coragem de ir para faculdade.

A única coisa que consigo fazer e que me faz feliz é meu trabalho: dou aulas para crianças bem pequenas de 5 anos e elas são maravilhosas, me adoram, faço um bom trabalho, tenho resultados ótimos com crianças difíceis, tenho muito carinho e compreensão, ao mesmo tempo sei por limites.

Nunca bati em minha filha, mas ela sofre com minha instabilidade emocional.

Minha família também é um oásis no meio da minha loucura.

Meu marido me ama e é muito compreensivo, mas ele não sabe de tudo o que sinto e faço, tenho vergonha, parece que ninguém vai entender.

Guardo comigo as coisas piores como as mentirinhas, por exemplo.

Me sinto tão horrível perante o mundo, porque sei discernir entre o certo e o errado, preocupo-me com questões éticas e de cidadania, tenho pena e sou solidária com as pessoas, mas me mantenho num mundo só meu. Me distancio de amigos.

Às vezes conquisto amigos que querem me visitar, me ver, falar comigo e vou colocando barreiras, até que a pessoa comece a desistir de mim, porque não consigo me envolver tanto, não quero gente me ligando, odeio telefone.

Só gosto de e-mail. Pelo amor de deus! O que eu faço? O que eu tenho? É horrível ser eu!

Às vezes quero morrer ou sumir para um país distante, começar minha vida de novo onde ninguém conhece a minha idiotice, começar do zero.

Mas acho que minha saída é morrer e nascer de novo. Eu sou uma massa disforme sem valor e incapaz.

Resposta:

Olha, você apresentar sintomas de Fobia Social, Cleptomania, Picking, Depressão, TPM, baixa autoestima, Ansiedade e Pânico, não quer dizer que você sofra dessa variedade de doenças.

Provavelmente dá para englobar tudo num desenvolvimento inseguro de personalidade.

A TPM pode ser tratada facilmente, com isso você já sofre bem menos alguns dias por mês.

Provavelmente você precisa um Antidepressivo para melhora o astral e diminuir a Ansiedade e uma Psicoterapia profunda, dessas analíticas.