Passo mal só de ver um cão do outro lado da rua.

Tratar Fobias em São Paulo

Pergunta 1: 

Morro de medo de cachorro, fobia, pânico, cinofobia, enfim, passo mal só de ver um cão do outro lado da rua. Fico nervosa, tenho sudorese, taquicardia, pernas trêmulas, além de correr pro meio da rua, subir nos balcões das padarias, pular em colos alheios.

Sou fisioterapeuta e tenho 25 anos

Aos 14 anos eu e meus pais tentamos comprar um filhote para que eu perdesse o medo. No primeiro contato, eu gritei e corri pra um lado e ele correu pra outro.

Passamos um ano e meio fugindo um do outro, ele em um andar da casa e eu no outro.

Tentamos. Entre dar o cachorro ou a filha, eles acabaram dando o cachorro para um veterinário. Após 11 anos, eu e meu namorado estamos tentando novamente, afinal, esse medo me limita muito, além de me envergonhar e atualmente fazer com que eu não ganhe dinheiro.

Sou fisioterapeuta, quando sei que existe um cão na casa de um paciente, arrumo outra pessoa para ir no meu lugar.

Estudei sobre as raças, compramos um Golden, atualmente ele está com 2 meses e meio. Acontece que estou morrendo de medo dele, morro de medo quando ele vem feliz correndo, quando ele quer brincar com meus pés, quando quer morder (diz meu namorado que é para brincar) minha mão...

Preciso de ajuda, terapia, regressão, macumba, o que quer que seja para minimizar esse trauma de infância (brincava com um cão Fila quando tinha 3 anos, a cadela teve filhote, fui brincar com a cria e pronto, ela veio e me atacou; minha mãe me salvou do suposto ataque e desde então morro de medo).

Por favor, se você conhecer alguém que possa me ajudar e se puder me responder esse e-mail ficarei imensamente agradecida.

Resposta:

Sim. Uma Terapeuta Cognitivo Comportamental pode te ajudar. Recomendo a Dra. Giuliana Cividanes. Ela irá associar essa forma de psicoterapia mais uma medicação provisória.

 

Pergunta 2:

Minha irmã tem um medo incontrolável de qualquer ser vivo que tenha penas . A situação chega a ser perigosa, pois um simples pombo em uma calçada pode levá-la a atravessar uma avenida em desespero.

Tenho dúvidas sobre o tipo de profissional a procurar

Resposta:

Eu tentaria com um Psiquiatra, através de remédios e Psicoterapia breve e focal. Caso não resolva, o Psiquiatra encaminhará para uma Psicóloga, para uma terapia mais longa e profunda. Acho que esse planejamento é o mais otimizado em termos de tempo e custo.

 

Pergunta 3:

Minha esposa tem Fobia de lagartixas e está a ponto de querer se mudar do apartamento que compramos recentemente.

Resposta:

A diferença entre medo normal e Fobia é justamente que o objeto da Fobia não representa nenhum perigo real.

Acho que sai mais barato ela procurar um Psiquiatra e se tratar do que mudarem de apartamento (no próximo também haverá lagartixas, que, aliás, acabam com os mosquitos).

Quando éramos crianças não se dizia que lagartixas davam sorte?