Temos uma filha, tenho medo que ela desenvolva Distimia

Tratar Distimia em São Paulo

Pergunta:

O meu esposo tem sintomas de Distimia, de repente do nada o humor dele muda completamente, às vezes nos falamos durante o dia numa boa, com muito amor e carinho, até mesmo antes de sair do trabalho.

Quando chego em casa ele está emburrado, não responde minhas perguntas, só fala comigo novamente depois de duas ou três horas, ou até mesmo no dia seguinte.

Questiono o porquê dessa atitude e ele simplesmente não consegue dar uma resposta plausível, inventa uma desculpa qualquer.

Como já percebi que ele pode sofrer de algum distúrbio de humor, estou aprendendo a lidar com isso, mas é difícil. Ele teve uma história de vida complicada na infância, abandono da mãe, madrasta tirana, omissão paterna.

Foi usuário de drogas e álcool. No entanto não apresenta sintomas depressivos visíveis, como desejos suicidas, tristeza profunda, angústia.

Gostaria de saber se ele pode sofrer de Distimia? Às vezes ele comenta que tem medo ou Pânico de sair de casa, às vezes apresenta compulsão por compra, são esses os únicos sintomas que percebo.

Podem ser classificados como Depressão? O que posso fazer para ajudá-lo?

Temos uma filha, tenho medo que ela desenvolva Distimia. O que posso fazer para detectar se ela tem ou não algum problema?

Resposta:

Distimia não é determinantemente genética. Existem fatores ambientais também.

Se sua filha (que também herdou a sua genética, não só a do pai) crescer num ambiente positivo, estimulador, harmonioso, ela tem tudo para escapar da Distimia.

O fator ambiental é quase sempre mais forte que o genético.