Quanto tempo preciso tomar o Antidepressivo?

Quanto tempo preciso tomar o antidepressivo?

Pergunta:

Tomei durante dois anos Escitalopram e como estava me sentido meio devagar o medico mudou para Brintellix há um mês, mas estou percebendo que ando mais sensível, irritada, nervosa.

Estou querendo para de tomar esses remédios, será que posso ter recaída?

Resposta:

Se você pode ter recaída da depressão depende de muitos fatores, com esses dados da tua pergunta não posso afirmar nada. 

 

Pergunta:

Olá, meu pai tem 62 anos, sempre foi alegre. Há alguns anos minha mãe faleceu de forma abrupta. Tempos depois ele foi sentindo um vazio, angústia e, principalmente, muito cansaço, lentidão até mesmo para falar e um pouco desorientado.

Começou com antidepressivos, ficou bem depois de um mês. Um Psicólogo mandou parar o tratamento, pois achou que ele estava ótimo!

Um mês depois os sintomas voltaram, desta vez mais fortes e principalmente, muito emotivo e sensível, falando em perdas, novamente com lentidão no raciocínio.

1)   Gostaria de saber se essa emotividade é típica da Depressão.

2)   Há 15 dias ele voltou a tomar antidepressivo, em quanto tempo desta vez podemos esperar que o remédio faça efeito? Obrigada.

Resposta:

Seu pai acaba de sentir o que acontece quando se para antidepressivos antes da hora: a Depressão volta e aí pode ser um pouco mais demorado para melhorar de novo.

Quem decide a hora de suspender a medicação é o Psiquiatra, não o Psicólogo.

E não existe um tempo de tratamento igual determinado para todas as pessoas, depende de cada caso, mas é quase sempre superior a um ano.

Na Depressão, o tratamento rápido, intensivo e completo (até o desaparecimento total dos sintomas) diminui as chances de recaídas, de depressões de tratamento difícil no futuro e de atrofias de hipocampo.

Esse dado é especialmente válido para portadores de Depressão que perdem meses em psicoterapias e tratamentos alternativos.

Terapia é importante, mas na Depressão ela é ator coadjuvante e não principal.

E antidepressivo se suspende bem devagar, não por causa de dependência, mas para ver se a Depressão não está ameaçando voltar.

 

Pergunta:

Tenho 29 anos. Tive uma grave crise de Depressão há sete anos. Fiz tratamento com Prozac durante sete meses. Fiquei bem durante os cinco anos seguintes.

Nos últimos cinco meses reiniciei o tratamento, com Fluoxetina 20 mg (manipulada), estava me sentindo bem, alegre, muito disposta... Faz 30 dias que não tomo remédio e já estou sentindo alguns sintomas como: preguiça e gula (como desesperadamente).

Gostaria de saber se o antidepressivo causa dependência, se é necessário tomá-lo por toda a vida, e se este for o caso, se haverá necessidade de um aumento constante da dosagem. Caso o tratamento seja temporário: a interrupção pode ser feita de uma vez, ou deve ser gradativa?

Resposta:

Antidepressivos nunca criam dependência. A Depressão é que pode voltar ou não durante a vida, dependendo de uma série de fatores.

Precisa ver se essa Fluoxetina manipulada tem mesmo a qualidade do Prozac.

Algumas pessoas precisam de antidepressivo por anos, outras não, depende de cada caso.

Quanto mais lenta for a retirada do Antidepressivo, menos é o risco de recaídas.

 

Pergunta:

Há cerca de dois anos tive uma grande Depressão tentei suicídio e tudo, hoje encontro me novamente com uma Depressão nervosa.

Estou a tomar calmantes, Zoloft e Sedoxil, a princípio parecia estar a dar certo agora só tenho pensamento negativos só choro e estou descontrolada tenho medo do que me possa acontecer o que faço? Estou desesperada! Tenho apenas 18 pode me dar a sua opinião? 

Resposta:

Depressão é uma doença que pode voltar mais de uma vez na vida de uma pessoa.

Sugestão: recomece o tratamento e mesmo depois que ficar completamente boa continue com a medicação que teu médico der por muitos meses. Como não conheço tuas circunstâncias de vida, não posso afirmar se você também precisa de uma Psicoterapia.  

 

Pergunta:

Tenho hoje 28 anos, e sofri durante quase cinco anos com uma série de episódios depressivos (sempre muito ligados à ansiedade no trabalho), que não entendia muito bem como Depressão e que acabavam sendo superados quando a causa da Ansiedade e da Depressão passava.

É desnecessário dizer que apesar de passarem, sempre me causaram um enorme mal estar e períodos (às vezes longos) de grande sofrimento interior.

Em agosto do ano passado finalmente procurei ajuda médica, e além de começar com psicoterapia comecei a tomar Aropax 20 mg/dia.

Até meados de fevereiro passado estive me medicando, e me senti bem como nunca. Problemas deixaram de ser problemas, e estava com um ótimo humor, até receber alta do Psiquiatra e interromper o remédio.

Após um período de um mês e meio me sentindo muito bem, um grande problema profissional mais uma vez me desencadeou o processo de ansiedade-Depressão, com a volta de todos os sintomas de antes.

Fiquei extremamente preocupado, com um sentimento de que o tratamento não adiantou de nada, e não sai da minha cabeça a pergunta: todo esse tempo de tratamento e medicação foi em vão?

Vou ter que tomar remédio a vida inteira ou um dia vou poder me sentir bem sem o apoio do remédio?

Vou ter que aprender a conviver com estas crises caso não queira ser um escravo da pílula? O remédio pode parar de fazer efeito um dia? O que eu sinto e curável ou apenas mascarável?

Resposta:

Sem conhecer o paciente pessoalmente não posso dizer se é mesmo uma Depressão, se determinado medicamento é ou não o mais indicado, quanto tempo deveria ter tomado, etc.

Mas de uma maneira geral, no tratamento de depressão: A maioria das pessoas com Depressão precisa continuar a tomar o antidepressivo por pelo menos um ano após a remissão de todos os sintomas.

O tempo de tomada depende de muitos fatores pessoais, familiares e circunstanciais.

Não se considere um escravo da pílula. Considere que ainda bem que existe uma pílula para resolver teu problema. Ou seja, o remédio é um libertador e não um escravizador.

Uma pessoa que tenha tendência a fases depressivas não deve aprender a conviver com elas, mas sim deve evitar que elas apareçam, porque esse aprender a conviver com elas faz com que elas fiquem cada vez mais fortes e freqüentes e difíceis de tratar.

Leia sobre Efeito Kindling

 

Pergunta:

Tomo Efexor há um ano e meio e desde então apesar da melhora acentuada, não consigo parar o medicamento. Assim que vou diminuindo as doses, volto a sentir todos os sintomas da Depressão. 

Será psicológico? É possível passar uma vida inteira dependendo destes medicamentos? O organismo não acostuma com o tempo com o medicamento? Outra coisa que notei foi que desde que comecei a tomar Efexor ganhei alguns quilos extras que está difícil de perder.

Resposta:

A Depressão muitas vezes é uma doença crônica que exige tratamento por muitos anos. Não é dependência do Efexor, mas sim uma característica da Depressão em si.

Quando qualquer antidepressivo precisa ser tomado por anos, deve-se procurar um que não traga colaterais. Se mesmo assim você tiver tendência de ganhar peso, peça orientação para uma Nutricionista.

 

Pergunta:

Tomo antidepressivos já faz +- 8 anos, nunca me senti curado, atualmente tomo Amitriptilina 75 mg duas vezes por dia e Rivotril 2 mg, tentei parar por conta, piorei.

Agora tento voltar só que sinto um calorão e fico com retenção urinária, prisão de ventre, irritação e muita fraqueza, parece que não tolero mais remédios, não sei que fazer? Obrigado. 

Resposta:

Bom, primeiro que você precisa ter um tratamento que te faça ficar curado, senão nunca vai conseguir parar os remédios. Pelo jeito a Amitriptilina não acabou com todos os sintomas, o que é muito importante.

Segundo que existem muitas opções além de Amitriptilina (Tryptanol, Amytril) e Rivotril (que não é antidepressivo).

Terceiro que mesmo que você estivesse completamente bem com esses remédios, sempre dá para achar outro igualmente eficaz e com menos colaterais.

 

Pergunta:

O meu namorado está a tomar o Antidepressivo Dumyrox (100 mg Maleato de Fluvoxamina, no Brasil é o Luvox) uma vez ao dia já há dois meses, pois apresentava sintomas depressivos.

A Psiquiatra disse-lhe para continuar com o tratamento por mais dois meses, mas não lhe deu prognósticos de quanto tempo durará o tratamento nem a forma de fazer o desmame da respectiva medicação.

Apenas para eu compreender, quanto tempo em dura em médica um tratamento desse tipo?

E de que forma se faz a desabituação à medicação de forma a não existirem sintomas de privação?

Resposta:

O tempo de tratamento depende de vários fatores, mas quase sempre é de pelo menos um ano. Fluvoxamina (Luvox no Brasil) não deve ser interrompido de repente por causa de sintomas de abstinência. E quanto mais devagar se tira o Antidepressivo, menos o risco de uma recaída no futuro.