Tratamento de Depressão pós Parto ou Puerperal com Antidepressivo

Tratar Depressão pós Parto em São Paulo

Pergunta:

Estou com Depressão pós Parto. Ela iniciou a mais ou menos um mês depois que o meu bebê nasceu. Ele agora está com 4 meses. Estou tomando o medicamento Zoloft ou Tolrest, há um mês, iniciei com uma dosagem e agora estou tomando duas.

Senti uma melhora mas não atingi a plenitude. Gostaria de saber se esse medicamento está fazendo o efeito desejado. Existe outro medicamento mais eficaz?

Resposta:

O Zoloft ou Tolrest podem levar até 6 semanas para funcionar, e a dose pode chegar a 200 mg por dia. Se ao final desse tempo e com essa dose você não estiver 100 %, seu médico com certeza irá trocar de antidepressivo.

A Depressão pós Parto passa completamente e existem muitas opções além do Zoloft ou Tolrest. Fique boa logo e parabéns pelo bebê.

 

Pergunta: 

Estou com Depressão pós Parto, atualmente minha filha tem um pouco mais de 10 meses… Me sinto sensível e chorona, sem condições de cuidar de meu bebê.

(Foi meu primeiro bebê, e estava em um país desconhecido, sem nenhuma pessoa da minha família, somente com uma cunhada que só trazia problemas).

Tentei me matar tomando uma overdose de medicamentos, mas fui salva a tempo. Se alguém me perguntar porque fiz isso, sinceramente não me recordo.

Fiz Terapia de Casal. O Psiquiatra receitou Prozac 20 mg, depois de um mês me sentia bem melhor. Tive recaída, comecei a tomar 40 mg, mas isso me trouxe efeitos colaterais, não podia dormir bem, irritada, duas crises nervosas em uma semana, nas duas crises tentei me matar com uma faca.

Uns dias depois tomei uma quantidade grande de tranquilizantes (Lorazepan) e dormi profundamente.

Fui de ambulância para um Hospital Psiquiátrico, trocaram minha medicação para Paxil 20 mg, e estou tomando essa medicação faz duas semanas.

Não consigo parar de chorar.

Resposta:

Realmente, é para uma Depressão pós Parto passar em cerca de 3 a 6 semanas com medicação adequada.

Provavelmente o problema é te trocaram Prozac pelo Paxil, quando os mesmos são da mesma família, ou seja, trocaram seis por meia dúzia. Isso não acontece sempre (a troca ser ineficaz), mas eu trocaria por um Antidepressivo de outro grupo (Noradrenérgico ou Dual).

 

Pergunta:

Peguei uma Depressão pós Parto. Estava tomando o Zoloft ou Tolrest e ele não surtiu efeito. Minha médica achou melhor eu passar a tomar o Efexor.

Ele é um bom medicamento? Quanto tempo demora para fazer efeito?

Resposta:

Sua médica conhece seu caso pessoalmente e eu não. Provavelmente foi uma boa troca. Um Antidepressivo que age apenas na Serotonina trocado por um que age na Serotonina e na Noradrenalina (efeito duplo, ou dual).

O tempo para começar o efeito é o mesmo, 3 a 6 semanas.

 

Pergunta:

Antidepressivos fazem cair os cabelos? Como Fluoxetina, Risperidona, Carbamazepina e outros? Tive Depressão pós Parto e meu cabelo cai muito.

Resposta:

Muito improvável. Com o Depakote é mais frequente queda de cabelo. Mas não se esqueça que a Depressão pode provocar enfraquecimento do cabelo.

 

Pergunta:

Olá! Tenho 32 anos e desde os 17 sofro de Depressão, tive Depressão pós Parto, com muita ansiedade e Síndrome do Pânico. Na segunda gravidez tive Depressão durante a gravidez, e aí sim tive de tomar medicação fiquei muito mal.

Tomei medicação uns três anos depois parei. A terceira gravidez tudo correu bem não usei nenhuma medicação.

Hoje já tomo Pamelor 25 mg e Rivotril 0,5 mg há mais de 3 anos mas atualmente estou sentindo muitas coisas ruins.

Sem vontade de me levantar da cama, sem vontade de sair de casa. Passo mal sinto vazio na cabeça e falta de ânimo.

É normal, o que devo fazer?

Resposta:

Olá! Normal lógico que não é. Procure um psiquiatra. Ou você precisa de dose maior do Pamelor ou precisa tocar por outro Antidepressivo ou por um Estabilizador de Humor.

 

 

Pergunta:

Só me dei bem com o Limbitrol, haja vista que todos os demais produziram em mim uma grande agitação e piora do quadro.

Todas as conquistas que fiz na minha vida (emprego, casamento, gravidez...). Foram sempre permeadas por uma grande dose de sofrimento, principalmente porque tratava-se de momentos onde eu tinha necessidade de amadurecer, crescer, e sempre rejeitei isso para mim, preferindo continuar como uma criança que está sempre sendo cuidada...

Passei momentos inexplicavelmente torturantes, com muita angústia, ansiedade, agonia, pensamentos repetitivos, tremores, taquicardias, etc... Fiquei grávida sem querer e nunca quis ser mãe, nunca tive esse sentimento presente dentro de mim (talvez pelo próprio papel de cuidadora que eu teria que assumir assim que meu filho nascesse...).

Enfim, engravidei e tive que abandonar o Limbitrol. Passei um começo de gravidez difícil, mas um terceiro trimestre muito bom.

Fiquei tão bem que achei que nunca mais precisaria de medicação. No quarto dia do nascimento de meu filho, mais ou menos, comecei a ter vontade de chorar por quase tudo (e principalmente pelos afazeres e cuidados com o bebê, que a mim pareciam imensos) e ficar extremamente irritada e nervosa com as pessoas e todos os acontecimentos.

Até que as coisas foram piorando e muito. Comecei a ter pensamentos adversos, como: não deveria ter ficado grávida, não deveria ter sido mãe e outros em relação ao bebê, como achar que não o amava e em certos momentos ter raiva dele e chegar a xingá-lo em pensamento, sendo que nunca tomei qqr atitude agressiva em relação a ele e, mais do que isso, sinto que não teria coragem de tomá-la na prática.

Fora que nos momentos em que me sinto um pouco melhor, nos momentos em que pareço não estar tão mal, sinto-me amando meu filho e querendo-o bem. Dessa forma, entendo como uma espécie de boicote esse afastamento do meu filho em relação a mim. Estou tomando Prozac 20 mg e continuo amamentando. Tomo o medicamento há +/- 18 ou 19 dias e não senti praticamente melhora nenhuma. Fiquei muito ansiosa e deveras agoniada com o medicamento e percebo que me dava bem melhor com o Limbitrol.

Resposta:

Se você sempre se deu em com o Limbitrol, porque está tomando Prozac? O Limbitrol era uma composto de Amitriptilina e Bromazepam. A Amitriptilina existia com o nome de Tryptanol e de Amytril. Mas ainda existe como Amitriptilina. Leia a página "Como escolher o antidepressivo".