Que todos que estão trilhando este caminho possam saborear o bálsamo e o alívio da cura.

Tratar Depressão com Psiquiatra do Einstein

Depoimento:

Hoje eu quero morrer... sou muito covarde... Não tenho coragem... Tomaria alguns remédios, mas como brasileira, no fundo acredito em reencarnação e li que, se tirar a minha vida, o que me espera é pior do que eu sinto... Não tenho mais esperanças de melhora... de cura!

Nem penso mais nisso. Estou nesta há quatro anos, meus filhos dizem que sou outra pessoa, não tenho mais alegria, não quero mais nada... Só morrer... Deitar na minha cama e não acordar mais.

Sei que é egoísmo meu, que minha mãe iria sofrer, mas neste momento tenho que ser egoísta, pois não agüento mais tanta opressão interna, tanta desesperança. Já tomei tantos medicamentos e nada, realmente só me resta a morte.

 

Tenho 23 anos... E acho que estou ficando louca! É difícil escrever/falar/comunicar, pois há algum tempo estou enfrentando sérios problemas para me concentrar.

Sempre fui totalmente dependente da minha mãe, mas há dois anos minha avó faleceu (sempre fui muito próxima a ela e a família em geral) e comecei repensar minha vida, achei que era chegada a hora de aprender a andar com minhas próprias pernas, mudei de cidade.

Recomecei minha vida sozinha. Mas o que antes era sonho, agora está virando pesadelo.

A cada dia que passa perco cada vez mais o controle da minha própria vida.

Não tenho amigos...

Mas colecionei inimizades...

Quando assisto a um filme, torço sempre para o vilão.

E chego a ficar injuriada quando o mocinho leva a melhor.

Sei que isso não é normal! Estou num túnel muito escuro, e não vejo sinal da saída.

Pelo contrário tenho a impressão de que estou caminhando para o lado oposto e me enterrando cada vez mais.

Tudo me irrita: a alegria das pessoas, a beleza das pessoas.

Perdi amigos de longa data pessoas que antes eram legais, simpáticas, extrovertidas tornaram-se aos meus olhos pessoas inacreditavelmente chatas, egoístas, intoleráveis.

Não tenho vontade de comer ou quando tenho: como demais, não tenho ânimo para trabalhar, sinto-me extremamente cansada, meu corpo vive inchado e dormente, tenho problemas estomacais freqüentes, tenho insônia e quando durmo os pesadelos me atormentam.

Não consigo tratar bem as pessoas, me irrito com muita facilidade e aí acabo explodindo.

Quando a explosão não acontece, fico remoendo o fato e a raiva aumenta cada vez mais aí eu começo a beliscar meus braços, minhas pernas e elas ficam cheias de hematomas.

Não sei se algum dia fui diferente de tudo isso que descrevi, pois só consigo lembrar coisas ruins.

Mas acredito que o problema antes não era tão evidente, pois eu tinha amigos, era uma pessoa saudável, sentia prazer em viver.

E torcia pelos mocinhos nos filmes! De uma semana para cá, comecei a chorar compulsivamente e não consigo parar!

Não procurei ajuda ainda porque não sei onde procurar, e não tenho condições financeiras para me tratar.

Realmente não sei o que vai acontecer comigo.

Sinceramente não sei, mas é muito triste ver que minha vida se esvai a cada dia.

Que a cada dia magôo alguém e o mundo me mágoa.

Espero que um milagre aconteça... Um abraço a Todos.

 

Eu tenho 44 anos. Tenho Depressão há aproximadamente 20 anos. Não desisti de melhorar. Nunca desistirei.

Penso assim não por otimismo, mesmo porque otimismo não cura Depressão.

Em todo este tempo parece que aprendi a conviver com isso. Não é uma convivência pacífica, porém necessária. Já experimentei diversas situações nada agradáveis.

Angústias imensas. Ansiedade diária, total desespero.

Sofri muito, mas aprendi que o problema não está na convivência com os outros, mas está principalmente em meu cérebro.

Aprendi que a vida é muito boa de viver, e que não a vivo em toda a sua plenitude, mas... Quem não tem problemas?

Continuarei procurando a cura através da medicação

Parece que no meu caso a Depressão é conseqüência de uma alteração química no meu cérebro.

O único inconveniente é que terei que experimentar vários medicamentos, até se achar o que se ajusta melhor ao meu problema.

Já experimentei Prozac, Pamelor, Zoloft, Efexor, e outros mais, sem nenhuma melhoram.

No ano passado tomei Aropax. Foi impressionante. Cessou todos os sintomas da Depressão. Durante um mês e meio eu senti um silêncio imenso em meu cérebro.

Foi o momento mais fascinante dos últimos 20 anos. Total prazer só por existir. O efeito da medicação passou. A impressão que eu tive é que nem o próprio médico entendeu o motivo, mas a partir daí eu me senti mais próximo da cura.

Gostaria de ouvir experiências de pessoas que estão fazendo uso de medicamentos para combater a Depressão.

 

Meu nome é E. Acho que sofro de Depressão desde criança, pois é desde a minha infância que tenho atitudes e idéias autodestrutivas...

Há um ano fiz uma tentativa de suicídio que, Infelizmente, não deu certo.

A idéia do suicídio e a Depressão é uma constante na minha vida. Gostaria de fazer parte deste grupo de discussão, onde talvez eu consiga expor as minhas idéias e sentimentos.

 

Sofro de Depressão há muitos anos e conheço muita gente nesta mesma situação, estamos pensando em montar um grupo de auto-ajuda, tipo AA, gostaria de manter contato com pessoas que tenham algumas experiência nesse assunto, ou mesmo sugestões.

O objetivo do grupo também seria trabalhar a família, que muitas vezes não consegue entender o Depressivo.

 

Há muito tempo eu tenho uma Depressão grave e muito complicada. Eu gostaria de falar com alguém que entende como eu me sinto e que possa me ajudar.

 

Estou aqui para relatar a minha melhora. Creio que se você procurar nesta lista vai encontrar o meu depoimento que escrevi no começo da doença pela qual eu passei.

Estou digitando estas palavras para inspirar confiança nas pessoas que buscam ajuda.

Eu senti vários sintomas: falta de apetite, falta de auto-estima, dores de cabeça, dores no corpo, tonturas, falta de humor, etc.

Hoje posso respirar aliviado, estou totalmente curado. Agradeço primeiramente a Deus, depois a ajuda de minha namorada e de meus familiares e amigos, e também do meu Psiquiatra e a minha Psicóloga que me acompanharam durante essa batalha.

Eu aprendi que devemos nos amar e deixar as coisas fluírem com mais suavidade.

Temos que ter autocontrole e muita disposição para enfrentar nossas frustrações.

O que eu digo aos pacientes que de alguma sorte leiam este depoimento é que com a ajuda de um profissional, de amigos, de medicação, com exercícios e uma boa força de vontade é mais fácil se livrar desse mal.

Durante o tratamento tive dúvidas se ficaria melhor, se ficaria com alguma seqüela ou trauma.

Que todos que estão trilhando este caminho possam saborear o bálsamo e o alívio da cura após a turbulência!

 

Acho que sou depressivo já faz algum tempo. Nunca fui a um médico porque tenho vergonha.

Uso drogas com muita freqüência, já pensei em suicídio muitas vezes.

Estou ficando paranóico e sozinho, não tenho com quem conversar sobre isso porque não confio em mais ninguém, enfim, preciso de ajuda.

Fiquei muito feliz de saber que existe essa lista.

 

Meu nome é B. tenho 27 anos, e nos últimos 18 meses desenvolvi uma quantidade enorme de sintomas da Depressão.

O processo de autoconhecimento que eu me impus durante este tempo, me fez ver, que possivelmente eu sofro desse mal há anos, mas em uma intensidade menor.

Eu costumava levar uma vida que considerava natural.

Possuía uma vida social, profissional e emocional ativa, mas que não me realizava.

Agora eu não saio de casa para praticamente nada.

Afastei-me de meus amigos, de minha namorada, do meu trabalho. O meu isolamento chegou a tal ponto que nem através de chats eu consigo conversar com alguém.

Em minha casa meus pais fingem que nada está acontecendo (apesar de estar trancado em meu quarto há mais de um ano!). Eu sei que preciso me tratar, mas me sinto amarrado.

Tentei escrever para algumas pessoas que encontrei aqui, mas não consegui. Preciso conversar com outras pessoas, mas não consigo tomar uma iniciativa.

 

Acho alarmante o crescente número de pessoas com Depressão. Sou uma dessas pessoas.

Moro numa cidade pequena (em torno de 40 mil habitantes) e tenho contatos freqüentes com muitas pessoas com esse problema.

Nesses contatos surgiu a idéia de um grupo de auto-ajuda, através do qual possamos trocar experiências, informações, etc.

A idéia já existe há algum tempo, mas, o receio (muito comum nessa patologia), é quem vem impedindo de darmos o primeiro passo.

Não temos informações acerca de nenhum grupo com esse fim específico e nem sempre dispomos de um profissional da área que possa nos dar uma orientação nesse sentido.

Gostaria de obter de vocês, uma opinião acerca da idéia, se vocês conhecem algum trabalho dessa natureza etc. 

Parabéns pelo belo trabalho e muito obrigado pela atenção.