Sintomas: irritação constante e personalidade explosiva.

Tratar Ansiedade Generalizada ou TAG

Pergunta:

Boa noite Dr., estou em tratamento para TAG (Transtorno de Ansiedade Generalizada) há seis meses com um Neurologista. No começo tomei Fluoxetina de 20 mg, estava me sentido bem agora não entendi porque ela mudou para Ansitec 10 mg, que é bem mais caro e não tem genérico.

Minha dúvida é se o Ansitec causa dependência e posso manipular? Posso voltar para a Fluoxetina? Eu tinha melhorado com ela!

Resposta:

Mas se você estava bem com Fluoxetina (Prozac, Verotina), para que mudar para o Ansitec (Buspirona, Buspar)?

Leia a página sobre como escolher o medicamento psiquiátrico.

O risco de dependência com Ansitec é mínimo. Se pode manipular, pergunte ao seu Neurologista, nós não podemos interferir.

 

Pergunta:

Meu marido foi diagnosticado como portador de TAG. Ele toma Lexapro há quase dois anos.

Porém, seus piores sintomas continuam: irritação constante e personalidade explosiva (qualquer coisa que saia do planejado provoca gritos e ofensas, dirigidos principalmente a mim, que sou mais próxima).

Ele sofre com a instabilidade profissional (é advogado, e estuda para passar em concursos), perde o sono e tem dores de estômago com a desorganização alheia, contas a pagar, consertos do carro, ou seja, situações banais da vida de qualquer um, que para ele são um martírio.

O pai dele era exatamente igual, porém, nunca procurou tratamento, fez da vida da família um inferno, e faleceu há 6 meses, diabético e vítima de um AVC.

O que fazer para evitar que meu marido repita a história do pai?

O diagnóstico está correto? (Obs.: ele já fez terapia durante 8 anos, fizemos inclusive terapia de casal)

Resposta:

Não tenho condições de afirmar se o diagnóstico está correto com esses dados, mas pessoas de temperamento explosivo que já tenham tentado psicoterapia e técnicas de relaxamento e autocontrole sem resultado costumam melhorar muito com medicamentos Estabilizadores de Humor.

Isso mesmo sem sofrerem de Transtorno Bipolar nem Epilepsia.

Esse tratamento é feito há décadas e costuma ter ótimos resultados.